Minerando seres humanos e destruindo o meio natural

17 Octubre 2007
Marcos Arruda entrevista o advogado Carlos Cleto, do Sindicato de trabalhadores, sobre a nulidade do leilão de privatização da Cia Vale do Rio Doce, a dívida pública, a energia elétrica e a previdência.

Entre 1 e 9 de setembro de 2007 os movimentos sociais brasileiros realizam o Plebiscito popular nacional sobre a nulidade do leilão de privatização da Cia Vale do Rio Doce, a dívida pública, a energia elétrica e a previdência. O Plebiscito é um ato de cidadania ativa, que visa informar, educar e mobilizar a população para expressar-se sobre quatro questões:
1) Em 1997 a Cia. Vale do Rio Doce - patrimônio construído pelo povo brasileiro - foi fraudulentamente privatizada, ação que o governo e o poder judiciário podem anular. A Vale deve continuar nas mãos do capital privado?
2) O governo deve continuar priorizando o pagamento dos juros da dívida externa e interna, em vez de investir na melhoria das condições de vida e trabalho do povo brasileiro?
3) Você concorda que a energia elétrica continue sendo explorada pelo capital privado, com o povo pagando até 8 vezes mais que as grandes empresas?
4) Você concorda com uma reforma da previdência que retire direitos dos trabalhadores/as?
Sendo o plebiscito uma imensa pesquisa de opinião, esperamos que ele sensibilize os três poderes da República para que reavaliem essas questões à luz da Carta Magna e da legislação vigente, inspirados pelo espírito de serviço aos interesses maiores da Nação brasileira e do povo.
Esta entrevista foi feita no Rio de Janeiro, com o advogado Carlos Cleto, do Sindicato de trabalhadores da Vale do Rio Doce, Itabira, MG, em 21.8.07. Vou apresentá-la por partes, para ser lida com maior facilidade.
Pacs: Fale-nos sobre o comportamento da Vale em relação aos trabalhadores e trabalhadoras.
Cleto: As condições de trabalho na Vale, no caso de trabalhadores de minas, são más. Eles são superexplorados, ao ponto de estarem reduzidos a uma debilidade organizativa crônica. A Vale reduziu drasticamente seus quadros, desde a privatização. Hoje, em Itabira e Congonhas, trabalham para a Vale empregados terceirizados de umas 50 pequenas empresas, em muito más condições. São uma espécie de lumpen proletariado. Há casos de trabalhadores que há 15-20 anos não tiram férias. Têm contratos temporários com a empreiteira, no fim de um ano são demitidos, recebem as férias mas imediatamente são recontratados e continuam trabalhando! Quando o sindicato processa a empresa por um ou dois casos, ele ganha. Mas a maioria são trabalhadores não sindicalizados, que sonham em voltar para a área, ou botar um filho na empresa, e não querem contrariá-la.
Pacs: Você pode dar um exemplo?
Cleto: É o caso do Sr. Eliseu. Foi o único trabalhador em Congonhas que teve a coragem de se apresentar para um processo na Justiça. No caso dele nós conseguimos ganhar! No começo dos anos 90 ele saiu da prestadora Santana e no dia seguinte estava noutra, sempre trabalhando para a Vale. Nesta lista de contratações do Sr. Eliseu, você vê que ele só esteve quatro dias fora da Vale, pois sua demissão coincidiu com uma virada de ano. E assim ele foi passando de firma em firma, sem férias, até agosto de 2005, quando estava doente com silicose, virou um bagaço velho, mais morto do que vivo, e foi jogado fora. A Vale tem estratégias de terror psicológico para fazer o trabalhador não buscar os seus direitos. Ao todo ele ficou 16 anos dentro da Vale do Rio Doce, ganhando salário mínimo, sem nunca ter reconhecidos os seus direitos.
Pacs: Aos que, como o Sr. Eliseu, buscam apoio do sindicato, há então chance de vitória?
Cleto: Quando o sindicato abre processos assim, ele geralmente ganha. São de difícil contestação! Neste caso o juiz deu como sentença a terceirização ilícita, com formação de vínculo à tomadora dos serviços. Ele foi reconhecido como servindo à Vale nesses anos todos! No mesmo caso do Sr. Eliseu há mais de 1000 em Congonhas!
Pacs: E não dá para fazer um processo coletivo?
Cleto: Não, pois o sindicato Metabase é de mineradores e os trabalhadores terceirizados são metalúrgicos. E este é como um balcão de negócios... É o caso da maioria dos sindicatos de metalúrgicos de uma maioria terceirizadada, trabalhando em pequenas firmas. Então, o Eliseu vai ganhar indenização da empresa e vai ter uma velhice menos angustiada. Mas os outros 1000 não vão ter nada, só doença e esquecimento. Uma mina da Vale é uma usina de destruição da saúde humana, ainda mais com as empreiteiras. E com a crueldade de que, quando o trabalhador vai fichar de novo, trazendo uma deficiência auditiva ou uma silicose, ele é jogado fora como bagaço imprestável. A Vale, quando vê que o homem já está com a saúde debilitada, quer carne nova pra moer. E o trabalhador terceirizado, agora portador de uma deficiência qualquer, vai para a mendicância, vai morrer na miséria.

Sobre los autores

Marcos Arruda

Marcos Arruda es un veterano economista y educador popular que lleva años trabajando muy de cerca con movimientos obreros, cooperativos y de economía solidaria de Brasil.

Marcos ha colaborado como asesor de gobiernos locales y como profesor visitante en varias universidades brasileñas y de otros países. Es dinamizador de Gaia Education Program y participa en los movimientos de las ecoaldeas y las comunidades en transición (Transition Towns). Marcos también es miembro activo de la Campaña Jubileo Sur, donde trabaja sobre cuestiones relacionadas con la crisis de la deuda y las alternativas, economía y ecología, gestión de presupuestos públicos y planificación de desarrollo socio-económico.

Últimas publicaciones de Alternative Regionalisms

La abolición del ‘trabajo’

El concepto de ‘trabajo’ se entiende convencionalmente como el trabajo asalariado, es decir, la capacidad de trabajar como se ejercita a través de un mercado. Fue precisamente esta miope interpretación del trabajo la que cuestionaron desde varios ángulos las discusiones de este eje de debate.

Otro modelo financiero

En América Latina, a diferencia del reciente paquete de gobernanza económica de la UE, que establece un poder supranacional que mina la responsabilidad de los Estados miembros, la crisis mundial ha propiciado un replanteamiento radical del Estado y el equilibrio de los mercados.

El Antropoceno: la crisis ecológica se hace mundial

Este texto es parte de un libro en elaboración por el autor sobre la crisis del capitalismo global y el previsible colapso civilizatorio, vistos a partir de una amplia perspectiva histórica, en el que se hace una especial reflexión sobre la crisis energética mundial.

Anticooperación

En esta obra se comparan los flujos de la cooperación al desarrollo con los asociados a los principales mecanismos de anticooperación. Así, se sostiene que anun si la ayuda internacional fuera de calidad o eficaz, sus efectos serían globalmente inferiores.